top of page

Um museu foi o incentivo para o meu recomeço no modelismo


Como falei em um post anterior, o modelismo pra mim se divide na minha fase da adolescência e agora depois dos 40 :)

Nessa nova fase, o primeiro modelo que escolhi foi inspirando em uma experiência real que vivi no meu intercâmbio de idiomas em Toronto. Nessa oportunidade eu minha esposa passamos um final de semana em Nova York para fazer turismo. Entre os pontos turísticos típicos de NY que constam em todos os guias e na maioria dos pacotes de ingressos tipo passaporte é a visita ao Intrepid Sea, Air and Space Museum.



A escolha do Modelo

Foi paixão a primeira vista, o Intrepid está localizado no Pier 86 na 46th Street, ao longo do Rio Hudson, no bairro Hell's Kitchen, no West Side de Manhattan. Ele foi o terceiro porta-aviões da classe Essex dos Estados Unidos, e a classe Essex foram os maiores porta aviões que a marinha americana já operou, segundo o que relata o site do Serviço Nacional de Parques dos EUA.


USS Oriskany - Revell US - escla 1/530
USS Oriskany - Revell US - escla 1/530 - Foto: Anderson Torres


A possibilidade de poder conhecer tal equipamento me levou a visitar uma das mais completas lojas de modelismo de Toronto dias antes da nossa viagem e procurar um porta-aviões para montar. Pra minha alegria encontrei o modelo do Porta-Aviões USS Oriskany - Revell US - escla 1/530, classe Essex, a mesma do Intrepid.


De posse do modelo, a viagem até o museu Intrepid teve outra dimensão porque estava visitando o porta-aviões da mesma classe do meu modelo e carregado de história. Também pude exercitar um pouquinho do meu inglês com veteranos de guerra que operaram aquela tão imensa máquina.

Durante a visita conheci uma família em que o marido, veterano de guerra, também gostava de montar modelos e que preferia kits dos equipamentos que teve contato durantes os anos que serviu, isso realmente me chamou a atenção porque ela afirmou que isso era bem comum entre os colegas veteranos do marido.

Comprei, agora tenho que montar

Chegando em casa após a nossa viagem de intercâmbio e de posse do kit, algumas tintas e um aerógrafo (que comprei junto com o kit) sem compressor, comecei pensar em uma estratégia para começar a montagem. A primeira coisa que coloquei na minha cabeça é que aquilo era um Hobby e não uma coisa para me estressar, ou seja o prazo era comigo.

Negociei com esposa um espaço em casa, basicamente uma mesa que eu pudesse deixar as minhas coisas sem aquela preocupação de desmontar tudo e guardar cada vez que eu trabalhasse no modelo. Também comprei um conjunto mínimo de ferramentas, semelhante a que falamos no post, Dicas para começar a montar miniaturas e comecei a colocar a mão na massa.

Pra minha decepção inicial uma das tintas da Vallejo que comprei no Canadá, não era a que eu precisava, justamente o vermelho que é usado no fundo de todo o casco e um tom de cinza que peguei na mão na loja e acabei esquecendo de colocar na cestinha.

Como o meu orçamento para essa "brincadeira" já estava estourado, resolvi pesquisar alternativas nacionais mais baratas e me deparei com uma combinação interessante que me ajudou. Usar tinta Acrilex diluída com o limpa vidro Vidrex transparente, o dois produtos terminar com "ex" é pura coincidência.



Como era o meu primeiro kit depois de tanto tempo, resolvi seguir a seguinte filosofia, era um desafio que eu teria de terminar, não queria ter a sensação de não conseguir concluir, então estipulei que o meu padrão de qualidade: não iria usar nenhuma técnica mais complexa, e sim uma pintura fosca bem feita com aerógrafo e dos decals.

Acredito que pensar assim foi bom naquele momento, porque depois de um tempo eu consegui concluir o projeto, e me sinto bem com o resultado depois de tanto tempo sem montar um kit.

Tem hora que da vontade de desistir

As primeiras peças de um modelo como um porta-aviões dão bastante gás na hora de montar, porque são partes grandes e que dão uma ideia da dimensão do modelo. O problema é que ao montar um kit vão existir fases na montagem que você monta peças minúsculas que as vezes mau aparecem, mas que podem levar o mesmo tempo ou até mais do que essas peças maiores.

Outro ponto importante é que não adianta querer queimar etapas ou apressar as coisas, pintou algo, tem que esperar secar, se precisar de várias demão para cobrir bem, não adianta querer atropelar, tem que esperar, e como a gente tem uma vida além da bancada... as vezes você trabalha um pouquinho, tem que esperar e depois só vai voltar no modelo dias depois.

Confesso que pegar o modelo nível 4 de início não foi tão simples, mesmo tendo algum tipo de experiência no passado... por isso é bom estar atento no nível dificuldade, como o Matt comentou no post "Algumas dicas básicas para iniciantes em kits de modelismo". Em resumo, fazer uma pausa quando você se depara com um desafio pode ser muito útil.

Foi o meu caso, quando tive de pintar a linha d'água no casco, não sabia como fazer, larguei o modelo por uns dias fui pesquisar na internet e achei as fitas de máscara da Tamiya de 2 mm, fui atrás para comprar e umas semanas depois recomecei.

Tem que se divertir

Pra mim, o plastimodelismo que tem que ser pra se divertir no processo todo, ao testar uma nova técnica, ao conseguir o tom certo da cor, ao fazer uma pintura perfeita, mas também ao ter que refazer uma pintura, ter que reparar algo que deu errado ou em pensar um toque especial que deixe o seu modelo com sua cara.

Sempre gostei de compartilhar com a minha esposa e alguns amigos cada uma das minhas conquistas nas fases da montagem. Atualmente estou trabalhando em um diorama, é até engraçado porque as vezes os meus colegas de trabalho me perguntam: "E o modelo, evoluiu mais alguma coisa? Manda uma foto aí"



8 palpites

Vou me arriscar com alguns palpites para quem está querendo começar:

  1. Escolha um kit que você goste, mas se tiver indeciso em alguns simplesmente escolha um, sabendo que você vai poder montar outro mais tarde. É claro que quando você ficar mais criterioso no hobby, vai descobrir que os kits saem de linha e depois pra achar alguns modelo vai ser uma aventura, que admito que as vezes é bem divertido.

  2. Tenha o mínimo dos materiais pra começar, mais saiba que ao longo do processo dependendo da qualidade que você quiser empregar no modelo, pode precisar de mais coisas.

  3. Não precisa ter prazo, mas deixar totalmente solto pode ser perigoso, então ter uma meta vai estimular você a não desistir.

  4. Não pule etapas, tem que ter paciência de esperar secar e colar.

  5. Registre e compartilhe a experiência, geralmente as pessoas admiram esse tipo de trabalho e isso estimula bastante a conclusão dos projetos.

  6. "O ótimo é inimigo do bom", claro que quando você vê os vídeos de tutoriais na internet, é de enlouquecer, mas lembre-se que isso é um processo. Um hobby é para praticar, então você faz o primeiro, fica bom, o próximo vai ficando melhor até que um dia talvez é você quem vai estar fazendo tutorial.

  7. Monte e continue montando, uma coisa que eu fiz, foi pouco dias antes de eu terminar o porta-aviões, comecei a pesquisar um outro modelo para comprar, depois fui atrás das tintas todo o resto de material que eu precisava, isso me motivou mais ainda para concluir o Oriskany para começar o novo modelo.

  8. Por último e talvez o mais importante, divirta-se!!!

Se você já curti ou começou a se interessar pelo hobby, não deixe de se inscrever na nossa newsletter para receber as novidades do mozayco.com

15 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page